Enchente.

Chove.
Chove lá fora e chove aqui dentro.
Chove pra espantar o calor e chove pra apagar a alegria.
Chove pra matar a sede e chove pra matar as esperanças.
Chove porque tem que chover e chove pra me deixar confuso.
Chove pra encher os rios e chove pra encher meus olhos.
Chove pra sobrevivência e chove pro desejo de partir.
Chove lá fora e chove aqui dentro. Dentro de mim.

Mas eu sei que depois da chuva sempre vem o sol.

3 comentários:

Marcelo R. Rezende 29 de janeiro de 2012 15:28  

Sempre mesmo. Porque nada é infinito. E sé, é variante.

SIMONE PRADO 9 de março de 2012 06:18  

Já senti essa dor duas vezes, uma quando meu cachorro foi atropelado, ao enterrá-lo parecia que eu enterrava uma pessoa. Outra quando tive que doar meu cachorro que morria de ciúme de mim e ficava feroz com meus filhos e por problemas de causar alergia na saúde de minha filha tive que doá-lo. Claro que escolhi uma família abençoada para recebê-lo mas sei que não justifica minha opção. Nunca mais o esquecemos, nunca deixamos de amá-los...mas passa assim como tudo passa nessa vida.

dannimad 21 de junho de 2012 09:56  

"Depois da tempestade sempre vem o arco-íris". É bem assim mesmo Gustavo. Encontrei seu blog no momento certo, me identifiquei com seus textos, são lindos.

Postar um comentário

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
“A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade.”