Ninguém sabe.

Partimos cedo, quase de madrugada. Fazia frio e o sol ainda não aparecia por inteiro no horizonte. Viajamos entre as poeiras e as sobras em busca da felicidade. Tínhamos ouvido falar muito dela e queríamos conhecê-la. Seguimos cada coordenada, cada receita. Tínhamos essas tais "regras" para obedecermos e as obedecemos à risca. Não ultrapassamos nenhum dos limites, andamos com muita calma.
Depois de milhões de passos, estávamos mais próximos. Os céus gritavam em tons alaranjados, os pássaros voavam com toda a leveza possível, tudo parecia tão certo. Até que surgiu algo; algo que nos impedia de seguir em frente; algo que nos impedia de alcançar a tão cobiçada felicidade. Um buraco. Profundo, escuro, impossível de atravessar. O pensamento de “o que eu fiz de errado?” inundou nossas mentes. E ali estávamos nós, nos entreolhando em busca de respostas. E ficamos ali, parados, apenas esperando pra ver quem desistiria primeiro.
E, sem palavras, sem sinais, nós dois desistimos. Voltamos pela longa estrada da vida. Voltamos de braços abertos às nossas rotinas, aos nossos dias sempre entediantes, às nossas normalidades insanas. Voltamos para as poeiras e as sobras. Seguimos pela sombra, pelo caminho mais fácil e seguro.

Hoje olho pra trás e me pergunto: o que teria acontecido se tivéssemos arriscado atravessar aquele buraco? Quantas vezes não nos limitamos a ficar em apenas uma parte das estradas de nossas vidas por medo?

Ninguém sabe.

1 comentários:

Sandro Ataliba 18 de janeiro de 2012 16:59  

O problema de cada escolha que fazemos é o que fica para trás. Depois de feita a escolha, não dá para ficar pensando nos "se's".

Postar um comentário

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
“A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade.”